sábado, janeiro 8

«Dificilmente se poderá falar de 'Petersburgo', de Andrei Béli, sem referir outro russo: Vladimir Nabokov. NA opinião deste último, e cito, as quatro maiores obras-primas em prosa do século XX são, por ordem: 'Ulisses', de James Joyce; "A Metamorfose", de Kafka; "Petersburgo"; e a primeira metade do conto de fadas de Proust "Em Busca do Tempo Perdido". Sabendo-se como Nabokov era exigente nos seus gostos, a escolha é um belo cartão de visita.», Ana Cristina Leonardo, Atual, Expresso n.º1993, 8 de Janeiro 2011.

PETERSBURGO
Andrei Béli
Editora: Relógio d'Água
A história de Petersburgo decorre no Outono de 1905 e inclui reaccionários, niilistas, uma tentativa de parrícidio e uma bomba escondida numa lata. No entanto, a personagem principal é mesmo a cidade que dá título ao romance. No coração do livro está a questão que durante gerações tem atormentado os russos: a identidade nacional.

Andrei Béli (pseudónimo de Boris Bugáev) nasceu em 1880 e foi, juntamente com Aleksandr Blok, um dos principais representantes da segunda geração simbolista russa. Mas as suas metáforas e escrita inovadora fizeram também dele um dos mestres do futurismo russo e da «prosa ornamental» dos anos 20 na URSS.

3 comentários:

Ana Cristina Leonardo disse...

obrigada pelo referência ao meu texto. o livro é uma obra-prima!

Ana Cristina Leonardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Arquivo, Livraria disse...

Cara Ana Cristina Leonardo, nós é que agradecemos o seu trabalho (que é muito interessante e útil, também,para fazermos o nosso).